terça-feira, 17 de novembro de 2015

Apresentação do Projeto na USP


A apresentação do Projeto “A construção da identidade do (a) educando (a) no espaço escolar a partir do lugar” foi maravilhosa! Todas as expectativas quanto ao desenvolvimento do projeto foram superadas pelos alunos e alunas da nossa escola que apresentaram os temas, os conceitos e as etapas do projeto de forma brilhante! Parabéns aos professores (as) e aos alunos (as) que trabalharam muito durante o ano para que a realização desse evento pudesse acontecer.


terça-feira, 4 de agosto de 2015

Projeto de Geografia 2015


Esse projeto enfocará a tese de que, para construirmos a nossa identidade, precisamos uns dos outros, numa constante relação de interdependência. Por defendermos e acreditarmos nessa ideia, é que buscaremos desenvolver nos educandos um maior senso crítico e autonomia, sobre a realidade que os cerca, de modo que coletivamente e interdisciplinarmente possamos trabalhar com os alunos e alunas sobre a singularidade do seu lugar de vivência, contribuindo assim para que eles reconheçam a própria importância e valor, no contexto social no qual estão inseridos, ampliando a sua noção de pertencimento e assim desenvolvendo uma aprendizagem mais efetiva.
Torna-se imperativo adotarmos estratégias que fortaleçam a noção que nossos alunos e alunas têm de si mesmo, de modo inclusive a fortalecer a sua autoestima e quiçá repensar sua autoimagem, especialmente se considerarmos o impacto que essa noção, digamos, positiva (ou negativa) - de si mesmo - tem em seu aprendizado. Para que isso ocorra, desenvolveremos atividades e discussões que reforçam a noção de que “seu destino” como indivíduo depende do destino do grupo inteiro. Lewin aponta que quando o sujeito tem essa noção, (a noção de sua importância individual dentro do grupo) ele tem uma vontade natural de assumir parte da responsabilidade pelo bem-estar geral. Para atingirmos esse objetivo, uma das atividades centrais, será o levantamento da chamada “memória afetiva”, que serão obtidas através dos relatos de vivência/experiência de seus pais, tios, avós, vizinhos; história essa, diga-se, marcada por lutas e que por si só traz (como comprovamos em anos anteriores) um forte senso de identidade e pertencimento, pela noção de espaço que foi “conquistado”.